Duetos

27.02.2015

Pós-Doc

27.02.2015

Larisa Shepitko: Comoções do Humano (3)

24.02.2015


Voskhozhdeniye (Ascensão, 1977).



Larisa (1980).


Proshchanie (Adeus a Matiora, 1983).


Serão mostrados amanhã nas Sessões do Carvão, o primeiro às 18:30, os segundos às 21:30, na Casa das Caldeiras.

______________________

“Larisa Shepitko: Comoções do Humano”: (1) | (2)

Magic and Loss

20.02.2015


After a long period of gestation, the essay collection on Carnivàle (2003-5) will be finally out at the end of next month. “Carnivàle” and the American Grotesque: Critical Essays on the HBO Series is edited by Peg Aloi and Hannah E. Johnston, to which I am (and doubtless all contributors to the volume are) deeply grateful for not giving up on this book project. My chapter is entitled “Magic and Loss: Style, Progression and the ‘Ending’ of Carnivàle”. Daniel Knauf, the television series’ creator, was kind enough to write a foreword to the collection.

Cinema, Livros, Literatura: Inadaptações

18.02.2015

Larisa Shepitko: Comoções do Humano (2)

17.02.2015


Nachalo nevedomogo veka (“Começo de uma Era Desconhecida”, 1967).



Ty i ya (Tu e Eu, 1971).


Serão mostrados amanhã nas Sessões do Carvão, o primeiro às 18:30, o segundo às 21:30, na Casa das Caldeiras.

______________________

“Larisa Shepitko: Comoções do Humano”: (1)

Fotografia, História e Memória Cultural

14.02.2015

Larisa Shepitko: Comoções do Humano (1)

10.02.2015


Znoy (Calor, 1963).



Krylya (Asas, 1966).


Serão mostrados amanhã nas Sessões do Carvão, o primeiro às 18:30, o segundo às 21:30 (com um comentário de Vladimir Pliassov do Centro de Estudos Russos da FLUC), na Casa das Caldeiras.

A obra da cineasta soviética Larisa Shepitko permanece uma ilustre desconhecida, apesar de alguns estudos publicados e das edições de Krylya e Voskhozhdeniye (Ascensão, 1977). Aluna de Aleksandr Dovjenko no Instituto Estatal Russo de Cinema, em Moscovo, Shepitko realizou apenas quatro longas-metragens que seguem a linha humanista do seu mentor. São filmes de emoções intensas, dilemas morais, estados físicos extremos, expressões subtis, que inscrevem as experiências vividas pelas personagens numa vasta paisagem humana. Para além das suas longas-metragens, este ciclo inclui Nachalo nevedomogo veka (Começo de uma Era Desconhecida, 1967), para o qual ela dirigiu o segundo episódio, “Pátria da Electricidade”, e dois filmes dirigidos pelo seu marido, Elem Klimov. Shepitko faleceu em 1979, vítima de um acidente rodoviário. Klimov compôs-lhe um filme-homenagem, Larisa (1980), e finalizou o projecto que ela tinha começado a rodar, Proshchanie (Adeus a Matiora, 1983).

Sessões do Carvão: “Larisa Shepitko: Comoções do Humano”

09.02.2015



11 FEV.

18:30   Znoy (Calor, 1963), real. Larisa Shepitko

21:30   Krylya (Asas, 1966), real. Larisa Shepitko

Comentário de Vladimir Pliassov (Centro de Estudos Russos da FLUC)

18 FEV.

18:30   Nachalo nevedomogo veka (Começo de uma Era Desconhecida, 1967), real. Andrey Smirnov e Larisa Shepitko

21:30   Ty i ya (Tu e Eu, 1971), real. Larisa Shepitko

22 FEV.

18:30   Voskhozhdeniye (Ascensão, 1977), real. Larisa Shepitko

21:30   Larisa (1980), real. Elem Klimov | Proshchanie (Adeus a Matiora, 1983), real. Elem Klimov