Linguagem para um Corpo Silencioso

09.12.2019


Moonlight.

A 18 de Dezembro de 2019, vou participar no Ciclo “Questões de Género”, organizado pelo Centro de Humanidades - Universidade Nova de Lisboa, na Biblioteca Palácio Galveias em Lisboa. Um agradecimento à Isabel Branco pelo convite. Partilho o painel “Sexualidade e Cinema” com a Ana Bela Morais (Universidade de Lisboa), com a comunicação “Linguagem para um Corpo Silencioso: Uma Leitura de Moonlight (2016) no Campo da Teologia Queer”. Eis o resumo:

Podemos ler Moonlight, realizado por Barry Jenkins, como uma obra cinematográfica que aborda de forma fértil a relação entre corpo, sexualidade e amor. Mais concretamente, o modo como a dimensão erótica do amor é corporizada e, assim, sentido teológico. O grande desafio que o filme coloca é o de fazer sentido de uma personagem, Chiron, que é representada em três períodos da sua vida: como criança (com o nome Little), como adolescente, e como adulto (com o nome Black). Só na adolescência é que ele é chamado pelo seu nome, Chiron, que é distinto das alcunhas pelas quais é conhecido na infância e na idade adulta que expressam a sua pequena estatura e o tom escuro da sua pele. É precisamente na adolescência que Chiron tem um encontro sexual e amoroso na praia que lhe deixa uma marca indelével. O corpo muda e permanece o mesmo e essa mudança e permanência são assinaladas pela linguagem. Estas são as bases da leitura de Moonlight aqui proposta, apoiando-se na aproximação que Eugene F. Rogers Jr. faz entre Tomás de Aquino e Judith Butler no campo da teologia queer, centrada na ideia de que um corpo exige uma linguagem. Esta comunicação propõe uma interpretação teológica em torno da comunhão amorosa que desenvolve uma linguagem crítica apropriada ao corpo silencioso de Little/Chiron/Black.

Sessões do Carvão — O Cinema Falado
Les Magiciens de Wanzerbé (1949) + Farpões, Baldios (2017) / Marta Mateus

03.12.2019