Digitar o Digital

20.05.2019


Adeus à Linguagem.

No próximo dia 23 participo no primeiro Seminário de Primavera (On Cinema), organizado pelo Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da Escola de Artes da Universidade Católica Portuguesa, Porto, e o Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa (ILCML) da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Trata-se de um novo fórum de discussão das novas práticas de investigação sobre cinema. Surge da necessidade de pensar como a cultura fílmica tem evoluído, como a sua experiência estética se transformou, e como podemos caracterizá-la no presente. Mais informação aqui.

O meu contributo intitula-se “Digitar o Digital” e tem o seguinte resumo:

Sendo o cinema digital frequentemente baseado numa estética da pós-produção, o trabalho que produz as suas imagens em movimento torna-se menos visível do que no cinema analógico, que depende mais da fase de rodagem. Este desaparecimento do trabalho e dos trabalhadores na indústria cinematográfica pode ser transformado em presença através da análise fílmica, atendendo ao modo como o filme torna presente as operações que o geraram. Embora o cinema digital, como toda a arte digital, se materialize na produção, a sua natureza aparentemente imaterial ou multimaterial tem facilitado o apagamento e o esquecimento do trabalho que o origina. As imagens em movimento produzidas por esse tipo de filme podem ser consideradas como pertencentes a uma longa linha de imagens produzidas pela mão humana, usada há dezenas de milhares de anos para servir como estêncil ou para manipular pigmentos na pintura rupestre pré-histórica, e empregue hoje para criar e moldar elementos digitais para o cinema. As imagens digitais são, neste sentido e em primeiro lugar, imagens digitadas. Ou seja, é o emprego das mãos e dos dedos que fabrica essas imagens e deixa uma série de marcas na sua composição e modulação. Por isso, é necessário considerar como elas são produzidas e sob que condições, não apenas neutralizando a obliteração e a desvalorização do trabalho, mas também reconhecendo que a apreciação estética do cinema digital deve levar em conta a produção na sua base. Para desenvolver esta reflexão dialogarei com pensadores como D. N. Rodowick, Claire Colebrook, e Jacques Derrida, e analisarei brevemente dois filmes recentes de Jean-Luc Godard: Adeus à Linguagem (Adieu au langage, 2014) e O Livro de Imagem (Le livre d’image, 2018).

Apresentação de Dar a Ver o que nos Cega de Abílio Hernandez Cardoso

16.05.2019

Jean-Claude Brisseau (1944-2019)

12.05.2019


Céline (1992).

Um Corpo Vivo

10.05.2019


Ida.

O IX Encontro Anual da AIM começa oficialmente no dia 13 e prolonga-se até ao dia 16 deste mês. A comunicação que vou apresentar neste encontro tem o título “Um Corpo Vivo: Corporeidade e Amor em Ida”. Eis o resumo:

Ida (2013) é aqui analisado cruzando os estudos fílmicos e a teologia. Este filme polaco narra a estória de uma noviça chamada Ida em 1962. Ela sai pela primeira vez do convento para conhecer a tia, uma juíza caída em desgraça depois do período estalinista, e descobrir que a sua mãe e o seu pai eram judeus e foram mortos durante a ocupação nazi. A minha leitura teológica chama a atenção para o modo como as descobertas sobre o passado da protagonista e do país envolvem experiências novas na vida dela. São experiências que ela não teve porque viveu isolada do resto do mundo num ambiente religioso. Há nelas uma tensão entre as dimensões social e individual, física e espiritual, que torna o trajecto dela num caminho de discernimento pessoal marcado pelo fundamento do amor. Em De Trinitate, Agostinho lembra que Deus só é visível para quem ama. A corporeidade é central neste percurso desde a primeira cena, em que Ida retoca a pintura de uma estátua de Cristo quase da sua estatura que, a espaços, pontua o filme como uma presença que a acompanha e interpela. Como a luta de Jacob com Deus (Gen 32,22-32), a de Ida será feita corpo a corpo — ao contacto com a estátua podemos acrescentar a recolha dos ossos dos seus progenitores e o encontro sexual com um saxofonista. Estes momentos vão fazendo o seu corpo mais vivo, a sua vida mais intensa, mais participante na natureza divina e mais animada pelo amor divino. No fim, a câmara fixa torna-se móvel para acompanhar a sua determinação.

O Nosso Dia

05.05.2019


Tudo em Jogo (1998).

Lembras-te, mãe? O nosso jantar caseiro de cachorros-quentes com mostarda diante do ecrã. He Got Game. A fotografia enérgica de Malik Hassan Sayeed. A montagem acrobática de Barry Alexander Brown. A música expressiva de Aaron Copland. A direcção atentíssima de Spike Lee. Denzel Washington como nunca, como sempre. Espero que te lembres como eu, hoje que te recordo.

Ciclo de Cinema Argentino

02.05.2019

Aproveitando a estreia da peça Ala de Criados, escrita pelo dramaturgo argentino Maurício Kartun e encenada por Marco António Rodrigues, o Teatrão co-organiza com o LIPA - Laboratório de Investigação e Práticas Artísticas um ciclo de cinema argentino de 7 a 28 de Maio. As quatro sessões terão lugar na Tabacaria da OMT - Oficina Municipal do Teatro. A primeira sessão inclui comentários meus e de Marco António depois da projecção de O Segredo dos Seus Olhos (El Secreto de Sus Ojos, 2009), realizado por Juan José Campanella e escrito por Eduardo Sacheri e Campanella.