Conversas à Volta do Cinema: Ida

22.10.2018


Ida.

O ciclo de sessões Conversas à Volta do Cinema começa esta semana na Universidade Sénior da Curia. Trata-se de uma actividade organizada em colaboração com o Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. A primeira sessão cabe-me a mim, no dia 24 de Outubro entre as 15h e as 18h. Escolhi o filme Ida (2013), realizado por Paweł Pawlikowski, para conversarmos à volta dele.

Nos próximos meses, o ciclo contará com a participação de José Maçãs de Carvalho, Carlos Antunes, Catarina Maia, e Abílio Hernandez.

Mulheres Especulares

17.10.2018


Mulher Fatal (Femme Fatale, 2012).

Participo hoje no Seminário RIAL: “Espelhos do Film Noir”, organizado pelo Centro de Estudos Comparatistas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Agradeço ao José Bértolo o convite que me dirigiu e que aceitei sem pestanejar. O meu contributo tem o título “Mulheres Especulares: Género e Desdobramento no Neo-Noir de Brian De Palma”.

O Cálculo dos Silêncios

13.10.2018


O Deserto Vermelho.

Após a estreia de O Deserto Vermelho (Il deserto rosso, 1964), Jean-Luc Godard entrevistou Michelangelo Antonioni:

GODARD: O primeiro título do filme era Celeste e Verde...
ANTONIONI: Abandonei-o, pois não me parecia um título suficientemente viril; estava demasiado directamente ligado à cor. Nunca pensei primeiro na cor em si. O filme nasceu a cores, mas sempre pensei primeiro no que dizer, como é natural, e que ajudava a exprimir através da cor. Nunca pensei: vou pôr um azul perto de um castanho. Tingi a erva que cerca a barraca na margem da lagoa para reforçar o sentido de desolação, da morte. Havia uma verdade da paisagem a reproduzir: quando as árvores estão mortas têm esta cor.
GODARD: O drama não é, portanto, psicológico, mas plástico...
ANTONIONI: É a mesma coisa.[1]

A última frase é esclarecedora. No cinema de Antonioni, a depuração da composição é o produto de uma recusa progressiva da separação entre a dimensão psicológica do drama e as formas do filme. Tal resulta na clara dissolução da construção dramática oitocentista, como bem observou o crítico Angelo Moscariello. A forma é, simultaneamente, revelação e criação. Arrisca uma concepção abstracta da própria imagem do mundo. Parte de um silêncio inaugural que vai desdobrando para determinar a sua importância.

______________________

[1] AA.VV., A Política dos Autores, trad. Isabel Maria Lucas Pascoal (Lisboa: Assírio & Alvim, 1976), 386.

Sessões do Carvão — O Cinema Falado
Lisboa, Crónica Anedótica (1930) / Tiago Baptista

02.10.2018

As novas Sessões do Carvão arrancam este mês: uma sessão mensal, com um filme escolhido por alguém profissionalmente ligado ao cinema que também o comenta.