Nevoeiro e Pequena História Trágico-Marítima

26.06.2012

video

Fiz este vídeo a partir de The Fog (O Nevoeiro, 1980) para o átrio do Teatro Académico de Gil Vicente, onde está uma exposição sobre a peça Pequena História Trágico-Marítima, com cenografia de Filipa Malva e texto e encenação de Jorge Louraço Figueira. O espectáculo será apresentado hoje e amanhã, às 15:00 e 21:30.

The NECS 2012 Conference: Day 3

23.06.2012


Hors Satan (Outside Satan, 2011).

This is the last day of the conference. I am chairing a session with the title “Spirituality in Film and Video Art” (between 3:45pm and 5:30pm):

Jill Murphy (University College Cork, Ireland), “‘A Force of the Past’: Benjaminian Now-Time in Pasolini’s Il Vangelo secondo Matteo (1964) and La ricotta (1962)”

Saige Walton (University of South Australia, Australia), “Elemental Aesthetics: Bruno Dumont’s Cinema of Grace”

Inês Gil (Lusophone University of Humanities and Technologies, Portugal), “Body and Screen: The Memory of Time”

The NECS 2012 Conference: Day 2

22.06.2012


Judith Butler at Occupy Wall Street.

Today, I am chairing a panel called “Classical and New Hollywood” (between 9:00am and 10:45am), replacing my colleague Bárbara Vallera:

Philippa Gates (Wilfrid Laurier University, Canada), “(Film) History is Written by the Victors: Revising Classical Assumptions about Gender, Genre, and His Girl Friday (1940)”

Sarah Greifenstein (Free University of Berlin, Germany), “‘And They Lived Happily Ever After!... Or Did They?’: The Temporal Dynamics of the Genre of Screwball Comedy”

Philip Drake (University of Stirling, Scotland, UK), “Memory, Reputation and Authorship: Revisiting Forgotten Film‐makers of the New Hollywood”

In the afternoon, I shall preside over a session entitled “Political Views on Screen” (between 3:45pm and 5:30pm):

Ruzanna Amiraghyan (Yerevan State University, Armenia), “Online Media and the Political Processes in Armenia”

Walid el Houri (University of Amsterdam, the Netherlands), “Streets, Screens and People in the Arab Uprising”

Homay King (Bryn Mawr College, PA, USA), “Antiphon: Notes on the People’s Microphone”

The NECS 2012 Conference: Day 1

21.06.2012

The 4th NECS Graduate Workshop took place yesterday, but the NECS Lisbon Conference officially kicks off today with my and Melis Behlil’s opening remarks. The first sessions are scheduled to begin right after this introduction at 9am. You can download the complete conference programme here.

I am also introducing the first keynote speaker, who is presenting her lecture, “Experiencing Time Between Fiction and Documentary: Memory, Affect and the Digital”, today at 6pm: Professor Elizabeth Cowie (University of Kent). I have known Elizabeth for eight years. She was my MA teacher—her splendid course was called Cinema and the Subject of Representation. It will be a great pleasure (and responsibility) to introduce her.

Permanecer no Amor

14.06.2012


Des hommes et des dieux.

Começa hoje o congresso internacional Mosteiros Cistercienses: Passado, Presente, Futuro em Alcobaça, com uma palestra de um abade de S. Isidro de Dueñas, Juan Javier Martín Hernández, OSCO. Seguir-se-á um concerto de Elena Gagera (canto) e Antón Cardó (piano).

Amanhã arrancam as apresentações das comunicações que vão ocupar os dias 15 e 16. Apresento uma comunicação logo na manhã do primeiro destes dias intitulada “Permanecer no Amor: A Arte e Teologia de Des hommes et des dieux”. Eis o resumo:

Dizer que eu sou feito à imagem de Deus é dizer que o Amor é a
razão da minha existência, porque Deus é amor. O amor é a
minha verdadeira identidade. O altruísmo é o meu verdadeiro eu.
O amor é o meu verdadeiro carácter. O amor é o meu nome.

—Thomas Merton, OSCO

Amar é chegar a Deus.
—Jalal Ad-Din Muhammad Rumi

Lemos na primeira carta de São João: “Deus é amor, e quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele.” (4,16). Des hommes et des dieux (Dos Homens e dos Deuses, 2010), vencedor do Grande Prémio e do Prémio do Júri Ecuménico do Festival de Cannes em 2010, dirigido pelo francês Xavier Beauvois, centra-se num grupo de nove monges trapistas que decidem precisamente permanecer no amor. Baseado em eventos ocorridos em Tibhirine, na Argélia, o filme mostra a convivência íntima e pacífica dos monges com a maioria muçulmana local. A fragilidade do governo e o aparecimento de grupos terroristas criam uma nova situação que dilacera a tranquilidade e coloca em perigo de vida a população e estes membros da Ordem de Cister. A violência não os detém e depois de orarem, meditarem, e conversarem, decidem ficar. Apenas dois sobreviveram ao martírio. Os outros sete foram mortos na noite de 26 para 27 de Março de 1996.

Esta comunicação analisa esta obra cinematográfica tendo em vista a apreciação do seu valor artístico e teológico. Des hommes et des dieux é um filme que capta os hábitos que enformam um quotidiano comunitário. Tais práticas não constituem uma rotina, naquilo que esta tem de aborrecido, nem são meramente definidas pela sua frequência. Elas fazem parte de modo de habitar, que não é mais do que encontrar uma morada para o ser como escreveu Martin Heidegger.[1] A existência dos monges é dedicada a duas acções, rezar e trabalhar, fixadas no lema de São Bento: “reza e trabalha”, “ora et labora”. Esta comunidade monástica funciona como um corpo quase sempre silencioso. Os seus membros repartem tarefas, sendo a sua vivência quotidiana marcada pelas sucessivas orações comunitárias da Liturgia das Horas. No entanto, este não é um grupo que se enclausura no mosteiro, sem abertura aos outros ou contacto com o exterior. Pelo contrário, Luc (Michael Lonsdale), um dos monges, é médico e oferece assistência a quem necessite dela e o grupo participa em celebrações muçulmanas na vila. Encontramos neles o verdadeiro sentido do impulso ecuménico do Concílio Vaticano II:[2] o ecumenismo não tem a ver com tolerância, com o acto de tolerar algo que não precisa de qualquer permissão para existir, mas com a partilha da verdade que une as religiões cristã e muçulmana.

À medida que as ameaças crescem, a vida dos monges, limitada ao interior do mosteiro, vira-se para dentro. O filme torna-se mais nocturno e o que sobressai é um aspecto fundamental da espiritualidade cisterciense: a entrega à contemplação como procura contínua da união com Deus. É olhando internamente que os monges percebem o que têm de fazer. O que fazem é cumprir o seu voto de estabilidade, que complementa os seus votos de pobreza, castidade, e obediência. Este voto implica a aceitação da permanência na mesma congregação, com as suas memórias e raízes, sem possibilidade de transferência. A acção destes monges é portanto um testemunho de um amor que busca assemelhar-se ao amor que Deus tem por todos, sem excepção, tal como foi anunciado por Jesus Cristo. Se o amor é a “fidelidade no tempo”,[3] eles mantêm-se fiéis às suas promessas, à sua fé, ou seja, a si mesmos. Não havia forma de desfazerem a congregação, de faltarem aos seus compromissos de vida, de abandonarem aqueles que se tornaram próximos, sem se desligarem de Deus.

______________________

[1] Ver Martin Heidegger, “Bâtir Habiter Penser”, in Essais et conférences (Paris: Gallimard, 2008), pp. 170-93.
[2] Concílio Vaticano II, Declaração Nostra Aetae, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/
documents/vat-ii_decl_19651028_nostra-aetate_po.html
.
[3] Bento XVI, “Celebrações das Vésperas com sacerdotes, religiosos, seminaristas e diáconos na Igreja da Santíssima Trindade (Fátima, 12 de Maio de 2010)”, par. 3, http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/speeches/2010/may/
documents/hf_ben-xvi_spe_20100512_vespri-fatima_po.html
.

The NECS 2012 Conference

05.06.2012

I am one of the organisers. Further information and programme here.

Kaneto Shindô (1912-2012)

01.06.2012


Onibaba (1964).